• h10.jpg
  • h11.jpg
  • h8.jpg
  • h6.jpg
  • h9.jpg
  • h3.jpg
  • h7.jpg

 

Por Evanize Sydow, de Alcântara (MA)

 

Funcionários públicos de Alcântara, no Maranhão, sem salário há vários meses, protestaram no centro do município no dia 25 de abril. A manifestação antecedeu uma audiência pública promovida pelo Relator Nacional do Direito à Moradia, Nelson Sauler Júnior. Estavam presentes o secretário especial de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, deputados, o coronel Jorge Pajés, do Centro de Lançamentos de Alcântara, representantes da Associação das Comunidades Negras Rurais e Quilombolas, do Movimento dos Atingidos pela Base, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Maranhão e moradores de 44 comunidades da cidade.

 

Sauler ressaltou que o objetivo era que saíssem dali ações concretas por parte dos governos municipais, estadual e federal para melhorar a situação de moradia no município. Os representantes das comunidades aproveitaram para falar de outras dificuldades por que passam: fome, falta de trabalho, crianças sem aulas desde o início do ano.

 

Dias depois, em 12 de maio, entidades, Igrejas, sindicatos, federações, parlamentares, professores e estudantes realizaram uma manifestação intitulada "Ato sobre Alcântara - Consolidação da Vitória", na Câmara dos deputados, em Brasília. A manifestação celebrou a vitória da retirada da mensagem que tramitava no Congresso Nacional, sobre o acordo que cedia a base militar de Alcântara aos Estados Unidos e marcou a continuidade da luta em favor das comunidades remanescentes de quilombolas.